29 de setembro de 2010

Tancredo do Amaral, patrono de uma escola que completará seu centenário em 2013

Dada a proximidade do centenário da mais antiga escola em atividade em nossa cidade – o que se verificará em 2013 – talvez seja importante salientar algumas informações a respeito de seu patrono. Embora com passagem efêmera por nossa cidade, o professor Tancredo do Amaral marcou por ser o primeiro professor formalmente habilitado para tal ofício a lecionar aqui, numa época em que Salto ainda era politicamente ligada a Itu. Foi também, ao lado do Dr. Barros Júnior, o fundador do primeiro jornal que aqui circulou, o Correio do Salto, fundado em 1888. A seguir, apresentamos alguns dados gerais sobre a história da unidade de ensino mencionada e, ao final, um resumo biográfico do patrono.

Quem foi Tancredo do Amaral?

Pioneirismo – A atual Escola Estadual Professor Tancredo do Amaral foi criada por meio de decreto estadual em 20 de outubro de 1913, sob a denominação Grupo Escolar de Salto de Ytu, e iniciou suas atividades no dia 28. Em sua origem, reuniu oito escolas espalhadas pelo município e criou mais duas classes, totalizando 407 matrículas em seu primeiro ano. Contudo, a inauguração oficial, com a presença da diretoria de ensino à qual Salto estava sujeita à época, deu-se apenas em 13 de maio de 1914. A escola funcionou com apenas um período de aulas por dois anos. Em 29 de abril de 1915 passou ao regime de dois períodos, e de 21 de maio de 1934 em diante funcionou nos três períodos.

O projeto – O terreno em que escola foi construída, entre 1911 e 1913, era de propriedade de Domingos Fernandes da Silva. A Prefeitura o adquiriu e o doou ao Governo Estadual em 1910, ficando esse responsável pela obra. A instalação do Grupo Escolar de Salto foi acompanhada de mais outras nove iniciativas pelo Estado de São Paulo afora, em projetos que ficaram conhecidos como Tipo Faxina, em referência à atual cidade de Itapeva. Tratava-se da implantação de escolas a partir da mesma planta, com fachadas reelaboradas por diversos arquitetos. Em Salto, o projeto foi assinado por José Van Humbeeck e Manuel Sabater. E a construção foi iniciada sob o comando de Augusto do Amaral e concluída sob a supervisão de Lupércio Borges. As outras localidades contempladas foram: Faxina (atual Itapeva), Jardinópolis, Santa Cruz do Rio Pardo, Santa Rita do Passa Quatro, Dois Córregos, Serra Negra, Cruzeiro, Itararé e Bebedouro.

História – Em 1918, durante a epidemia de gripe espanhola, o prédio da escola abrigou doentes, servindo como uma espécie de hospital de emergência. No ano seguinte, foi desinfetado e pintado. Até 1936, quando se instalou na cidade o Colégio Sagrada Família, o Tancredo era a única escola primária de Salto. Desde 1950 abrigou o Ginásio Estadual, que em 1962 passou a funcionar em prédio próprio. Em 1960, Salto ganhou sua segunda escola pública – o 2º Grupo Escolar – que hoje recebe o nome de E. E. Prof. Cláudio Ribeiro da Silva.

Bem cultural – Sendo a mais antiga escola da cidade, a E. E. Prof. Tancredo do Amaral é vista hoje como um elo afetivo que une diversas gerações de saltenses que passaram por seus bancos. Em virtude disso, encarando-a como bem cultural, em 29 de julho de 2002 sua preservação foi legalmente assegurada por meio de tombamento pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico e Artístico do Estado – CONDEPHAAT, em conjunto com outras 123 escolas paulistas construídas na Primeira República (1889-1930).


Tancredo Leite do Amaral Coutinho, ou simplesmente Tancredo do Amaral – como ficaria conhecido – nasceu na cidade de São Paulo em 18 de fevereiro de 1866. Era filho do Comendador Manuel Leite do Amaral e de Dona Josefa Gaudie Leroy do Amaral. Um de seus tios, Dr. Aquilino do Amaral, foi Senador pelo Estado de Mato Grosso. Tancredo casou-se com D. Maria Luísa do Amaral, tendo com ela dois filhos: Floriano e Marina do Amaral Costa.

Depois de fazer o “curso de humanidades”, Tancredo matriculou-se na Escola Normal da Capital, onde se diplomou. Logo depois, em 1887, foi nomeado professor primário em Salto – ainda nos tempos do Império. Aqui fundou, no mesmo ano, o Partido Republicano, juntamente com o Dr. Francisco Fernando de Barros Júnior. E no ano seguinte, o jornal Correio do Salto – repetindo a parceria política, já que a publicação era uma folha de propaganda do partido. Foi redator-chefe do referido periódico e também fez parte da diretoria do Clube Republicano 14 de Julho, fundado em Salto também naqueles anos.

Ao se transferir para São Paulo, Tancredo exerceu de início o cargo de Oficial de Gabinete do presidente Bernardino de Campos. Organizadas as quatro secretarias de governo, em 1891, foi nomeado 1º Oficial da Secretaria do Interior. Quando o Dr. Carlos de Campos assumiu a pasta da Justiça, na administração Campos Salles, foi escolhido para ser seu Oficial de Gabinete. E ao ser criado o Almoxarifado da Justiça, foi nomeado subdiretor dessa repartição. Por ocasião da cisão do Partido Republicano nos anos seguintes, Tancredo do Amaral acompanhou o General Francisco Glicério e assumiu o posto de redator de A Nação, órgão do Partido Republicano Federal. Isso lhe custou a demissão do cargo que então exercia, devido à luta política em que fortemente se empenhou.

Afastado da política, não se acomodou. Escreveu diversos livros didáticos, entre os quais O Livro das Escolas, Geografia Elementar, História de São Paulo ensinada pela biografia de seus vultos mais notáveis e O Estado de São Paulo, todos aprovados oficialmente e adotados nas escolas públicas. Tancredo foi ainda nomeado Inspetor Escolar, chegando a ser interinamente Diretor Geral da Instrução Pública do Estado.

Deixando os cargos que exercia no magistério, Tancredo do Amaral, após se diplomar em 1906 pela Faculdade de Direito do Largo São Francisco, entrou para o Ministério Público, tendo sido promotor das cidades de Capão Bonito, Batatais e Capivari. Entrando para a Magistratura, foi Juiz de Direito da Comarca de Santa Isabel, lugar em que se aposentou em 1923, indo residir em São Bernardo do Campo.

Tancredo foi por algum tempo redator, cronista teatral e secretário da redação do jornal Correio Paulistano. Também fazia parte de várias associações científicas e literárias, tendo sido membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo. Escritor, deixou várias obras esparsas, algumas inéditas, como uma coletânea dos melhores versos da língua portuguesa, várias conferências e discursos. Faleceu em 23 de julho de 1928, aos 62 anos.

Nota: Seria de suma importância, com a chegada do centenário, que a comunidade da Escola Estadual Tancredo do Amaral refletisse sobre a possível doação, ao Museu da Cidade de Salto, de toda a documentação que existe referente aos primeiros anos de seu funcionamento – a exemplo do que já ocorreu com os livros de matrículas da extinta Escola Anita Garibaldi (1931-1968). Trata-se do destino correto e esperado de toda a documentação que se refere à história local.

16 de setembro de 2010

“Saltenses distintos” na década de 1950

O jornal O Trabalhador, em 1952, publicou uma “Revista Ilustrada” em comemoração ao 257º aniversário da fundação de Salto e o terceiro de fundação do periódico. Nessa revista – que trazia na capa o primeiro brasão de Salto (o atual é o terceiro), instituído em 1931 pelo prefeito interventor Major José Garrido – uma das matérias levantava diversos nomes de saltenses que “se salientaram em nossa cidade, filhos desta terra ou vindos de outras plagas, que concorreram para o engrandecimento e o renome de Salto”. Trata-se de um interessante ponto de partida para percebermos como se dava, há mais de meio século, a seleção daqueles que eram considerados os bons filhos da terra, merecedores de admiração e elogios. A seguir, transcrevemos partes dessa matéria (sempre em itálico), complementando-as com alguns comentários de nossa autoria inseridos entre colchetes:

"Citaremos em primeiro lugar o ilustre Dr. Francisco Fernando de Barros Júnior, que, embora capivariano de nascimento, mereceu o título honroso de ‘Pai dos Saltenses’. Formado em engenharia civil, era o Dr. Barros dotado de grande inteligência e sentimento altamente cristão
[esse último comentário tentava associar a figura de Barros Júnior e a memória de abnegado defensor das causas locais aos princípios do jornal O Trabalhador, órgão fundado pela Igreja Católica]. Filho de Francisco Fernando de Barros e Angela Guilhermina de Mesquita Barros, nasceu a 17 de março de 1856 (...) [saliente-se que em uma propriedade rural escravocrata, pertencente ao seu pai, muito embora Barros Júnior, ao longo de sua carreira política, tenha assumido uma postura republicana e abolicionista]. Assinalados serviços prestou a Salto por ocasião da epidemia de varíola que assolou impiedosamente toda a província. Como Intendente [cargo equivalente ao de Prefeito] idealizou e dotou de iluminação a cidade, por meio de lampiões a gás [um dos acendedores desses lampiões, durante certo tempo, foi Henrique Castellari, que será mencionado a seguir]. 

O segundo nome citado na relação é José Weissohn, “homem abnegado, foi o propulsor e vanguardeiro do progresso industrial desta cidade. Como gratidão pelos trabalhos em prol deste torrão bendito, a Edilidade Saltense fez erigir em sua homenagem um marco, que até hoje existe no jardim público [Em que pese existir uma rua com o seu nome, do tal “marco” apenas resta a notícia de que um dia existiu]. Outro industrial citado, com passagem por Salto anterior à de Weissohn, é “José Galvão de França Pacheco [Júnior], abastado industrial e precursor da indústria de tecidos no Brasil, notadamente em Salto, onde foi o primeiro a instalar uma indústria têxtil (...).

Menciona-se o “Dr. Henrique Viscardi, o ‘médico das flores’, como muito bem foi cognominado, era de nacionalidade italiana, mas residiu aqui por muitos anos [Foi trazido da Itália por José Weissohn para assumir a chefia do serviço sanitário das tecelagens aqui existentes. Na prática, Viscardi prestava toda a assistência médica necessária aos operários de Weissohn]. Dotado de coração caridoso ao extremo, Dr. Viscardi tratava dos pobres sem aceitar remuneração. Não media sacrifícios para socorrê-los, prontamente, altas horas da noite. Praticou muito bem seu dever de médico.

Dois prefeitos da primeira metade do século XX são mencionados. O primeiro deles é “Luiz Dias da Silva, a quem Salto deve também muitos benefícios, tais como a construção do Matadouro Municipal [que se localizava no terreno que hoje serve de garagem à Prefeitura], o majestoso Grupo Escolar [atual Escola Estadual Tancredo do Amaral, prédio inaugurado em 1913], o saudoso coreto da Praça Paula Souza [que se localizava no espaço onde se instalou o Clube dos Trabalhadores na década de 1970, prédio hoje em obras] e o antigo Isolamento, hoje transformado em Asilo de Velhos [atual área da Sociedade São Vicente de Paulo]”. O segundo é “o Sr. João Batista Ferrari, que exerceu o cargo de Prefeito no tempo da ditadura e foi o primeiro Prefeito eleito no advento da democracia.” Sobre seus trabalhos enquanto homem público, a revista destaca: “Centro de Saúde, Posto de Puericultura, Escola Profissional (...) jardim da Praça Antonio Vieira Tavares [que antes era um descampado], (...) calçamento da cidade.” E salienta-se como uma de suas maiores conquistas “a majestosa ponte de cimento armado sobre o rio Tietê”.

No cenário artístico, três nomes ligados à música são destacados: os maestros Henrique Castellari, José Maria Marques de Oliveira e Odmar do Amaral Gurgel. Sobre o primeiro deles, de nacionalidade italiana, se diz que “regeu por longos anos a Banda Musical Saltense com brilho e dedicação”. Sobre o segundo, popularmente conhecido por Zequinha Marques, natural de Salto: “conduziu (...) por muitos anos a orquestra Itaguassu e dirigiu durante cerca de 40 anos o coro da Igreja Matriz, sendo compositor de músicas sacras.” E por último, cita-se o também saltense que, artisticamente, era conhecido por Gaó: “tendo estudado nos Estados Unidos, atua no momento nas Emissoras Associadas de S. Paulo”. Ainda no plano artístico, Anselmo Duarte e J. Silvestre também são mencionados. Sobre Anselmo, se diz: “Salto orgulha-se em possuir um filho seu na cinematografia nacional. Anselmo Duarte, o maior astro do cinema brasileiro, que atualmente tem contrato com a Vera Cruz de São Paulo.” Sobre Silvestre – então trabalhando na Rádio Tupi de São Paulo, se diz: “figura de grande destaque nos meios artísticos (...), moço idealista e cheio de entusiasmo, [que] está ganhando fama dia a dia, sendo considerado um dos melhores radialistas do Brasil”. O setor esportivo também foi destacado, citando-se dois “autênticos valores” saltenses: “Paulo Monari (Pauly) e Amadeu Mosca, ambos campeões paulistas de futebol pelo extinto São Bento da Capital, em 1925.

Ouça o hino da cidade, "Salto Canção", na gravação de 1966