29 de agosto de 2008

A Ilha dos Amores

As três pequenas ilhas

Em meados de 1913, a Câmara Municipal de Salto, atendendo a uma solicitação da Società Italo-Americana, tecelagem instalada na margem direita do rio Tietê, trocou três pequenas ilhas situadas logo abaixo da ponte Salto-Itu por um terreno no então Largo Paula Souza, com fundos para o rio. Dessas três ilhas, aquela situada mais próxima à cachoeira ficaria conhecida por Ilha dos Amores.

Antes, em 1911, a Società Italo-Americana obtivera concessão do Estado para instalar uma usina hidroelétrica nas proximidades das ilhas. Tal tecelagem foi adquirida por outro grupo industrial em 1919, a Brasital S/A. Em 1923, as ilhas cedidas dez anos antes também foram incorporadas ao patrimônio do novo grupo. Com a construção da barragem e usina de Porto Góes, as ilhas passaram ao controle da Companhia Ituana de Força e Luz – que assumiu, em 1927, as obras iniciadas pela própria Brasital em 1924.

Uma paisagem romântica

Nos anos em que esteve nas mãos da Società Italo-Americana e da Brasital, o afloramento granítico que constituía a Ilha dos Amores – com uma configuração distinta da atual – recebeu coreto, chafariz e iluminação elétrica. Uma estreita e leve ponte de madeira foi construída, fazendo a ligação com a praça. No coreto, muito próximo à cachoeira, conjuntos musicais se apresentavam aos domingos, entretendo saltenses e visitantes que para cá se dirigiam.


Vista do coreto e parte da Ilha dos Amores, tendo ao fundo a barragem de Porto Góes, c.1930.

A grande enchente de 1929 destruiu a ponte que dava acesso à Ilha, sendo recuperada pouco depois pelo prefeito-interventor Major José Garrido, no início dos anos 1930, utilizando-se de trilhos ferroviários como pilares. Tal ponte resistiu até 1983, quando nova enchente de grandes proporções a carregou. A essa época, no espaço antes ocupado pelo chafariz, existia um mini-zoológico. Quando da subida das águas, na enchente de 1983, os animais que ali estavam foram resgatados às pressas. Em 1988, a Ilha dos Amores sofreu uma remodelação, assumindo os contornos externos vistos ainda hoje. Nessa mesma ocasião, nova ponte de acesso foi instalada – mais robusta e resistente à força das águas.


A enchente de 1929, com a Ilha ao centro.


Ponte de acesso à Ilha e parte do Jardim Público, 1949.

Um comentário:

regina disse...

gosto muito da historia de salto, mesmo nao sendo uma saltense de sangue mas sou de coraçao, gostaria muito de saber sobre a santa feia que ficava em uma ilha na barra e que foi destruida na enchente de 1929, se possivel me mande fotos dessa santa ou a historia dela desde ja agradeço

Ouça o hino da cidade, "Salto Canção", na gravação de 1966